7/26/2005

Take My Breath Away*








Põe-me o coração perto da boca. Finge que é através do coração que respiramos. Põe o teu coração perto da minha boca. Respiro o teu sangue. A agitada viagem do teu sangue. O teu coração ao pé da boca.
Deixa-o bater, assim violentamente, na minha boca. Como se fosse o meu que urgentemente respirasse.
Ou não pudesse bater mais.
Sem respirar-te.

* René Marie (5:25) in 'How Can I Keep From Singing'

4 comments:

Anonymous said...

Um rio de oiro
pero coño no me mates...
"How Can I Keep from Singing"

C.S.A. said...

Ócio e fome de música governam o assombro deste blogue: ser vivido, trespassado pelo pacífico conhecimento das vozes e instrumentos do (com) jazz que aqui vão desaguando. Pequenos incêndios, medos, suores, alegrias e tristezas, convulsos cataclismos. Há a complacência do crime: viagens pelo jazz.

Elisa said...

Morrer pode ser tão bom... por vezes, não é Anónimo?

Elisa said...

viagens. memórias. sentidos. jazz. C.