1/11/2006

For All You Are*



Passam diante de mim estas gaivotas. E o que tenho para te dizer... é o absurdo de tudo isto. Absurda a água que vejo da janela. O dia cinzento. Esta água cinzenta que me aproxima do mar. Como a ti te aproximava. Embora eu, sem a bicicleta em que voavas. Com as gaivotas. Nestas tardes assim. Paradas.
Estreito o convívio com as gaivotas, nestes dias. Sem ti. Nestes longuíssimos dias. Em que me entretenho. A enganar a tua morte. Ou a minha vida. O que é o mesmo. O treino diário a que me obriga a evidência da tua morte faz-me tão diferente do que fui quando ainda estavas vivo e agarravas a bicicleta
(era vermelha a tua bicicleta. Dei a tua bicicleta vermelha. E às vezes vejo o teu pai passar montado nela. Agarrado a ela como se agarraria a ti se soubesse que um dia a tua bicicleta vermelha ficaria para trás, na precipitação da tua morte). Absurdo este reparar no movimento das asas das gaivotas sobre as águas cinzentas da ria. Num dia assim. Cinzento e murcho. Como as pétalas das flores que raramente me davas. Morrem depressa as flores. Como tu. Guardaste toda a fragilidade das pétalas para o dia em que, absurdamente, deixaste de agarrar a bicicleta
(era vermelha e ainda é).
Partias com tanto vento que, ao ver-te pedalar, não se via em ti a morte, mas a vida.
E estas gaivotas rasantes a estas janelas tão grandes onde, às vezes, lá em baixo, vinhas chamar-me.
Amor.
E eu escancarava a janela e perguntava-te se querias subir tu ou se descia eu. Escolhe tu. Dizias. E a bicicleta
(vermelha)
agarrada à tua mão. E eu escolhia. E às vezes era eu que descia e outras eras tu que subias. Dessas vezes, deixavas a bicicleta
(que sem ti, era sempre vermelha, mas não tinha asas, parecia uma gaivota murcha) encostada à porta do sítio onde tenho esta janela grande, com a ria ao fundo e as gaivotas rasantes. Deste sítio em que vou perdendo os dias. Todos os dias em que não estive contigo. E não ganhei o teu sorriso. Ou, simplesmente, a tua vida. Deste sítio onde estou agora. Tão diferente. Deste sítio de onde não quero sair porque me parece que hás-de aparecer lá em baixo, com a bicicleta vermelha, que agora roubaste ao teu pai, para me chamar.
Amor.
Não sei o que dizer-te desta diferença que sinto no modo como reparo agora nas coisas todas só para perceber que não existes. Que já não nos sentamos os dois, nas tardes tão grandes de domingo, a ler os livros que me davas e que ficaram para sempre. Os livros que eram as flores que não gostavas de me dar. Porque morriam para sempre. Como tu.
Agora.
Não sei o que dizer-te a cada vez que abro os livros que eram as flores e de dentro deles salta a tua bicicleta e tu todo. Tu rodeado desta cinza das asas das gaivotas. E eu, aceno-te de fora. Chamo-te.
Amor.
Tenho tentado reparar nas coisas como se existisses ainda e pedalasses em mim, como o sangue. Na bicicleta vermelha. Mas não sei para onde me escorreu a paciência. E para onde foram aquelas tardes de domingo.
Tenho tentado chamar amor, lá em baixo, a ver se me apareço cá de cima.Mas a pessoa que me aparece é sempre tão diferente de mim quando era eu que te aparecia. Nessa altura não reparava como é triste o movimento das asas das gaivotas. Nessa altura as gaivotas vestiam-se de vermelho e eram a tua bicicleta. Ou o meu sangue.
Tenho tentado chamar amor a tanta gente, em toda a parte. Aqui neste sítio. Noutro sítio. Mas é sempre a bicicleta que salta do silêncio em que me vejo, depois, mal acabo de pronunciar o amor.
(A bicicleta. Amor).
E passam diante de mim estas gaivotas.
E, na verdade, 'o que eu queria dizer-te nesta tarde nada tem em comum com as gaivotas'.

(antes publicado mais ou menos assim, sem a banda sonora, em A Vida Segue Dentro de Momentos)
* Dave Holland Quintet (8:23) in 'Not For Nothin' '

15 comments:

vanda said...

Elisa: fui a Aveiro no sábado, olhei para a ria e, como já tinha lido esse texto em «A vida segue dentro de momentos...», lembrei-me das tuas gaivotas e da bicicleta vermelha, imaginando qual seria a janela por onde observavas tudo isso...

Desculpa o «tu», mas com quem se revela assi, é difícil evitar estes sinais de intimidade.
Lamento a dor, mas entendo.

Elisa said...

Vanda
nada a desculpar. É como dizes. Parabéns pela Tabacaria, recém-nascida. Promete. Volta sempre.

João M. Gonçalves said...

Links actualizados ;-)

Elisa said...

:-) que rapidez.

João Villalobos said...

Cara Elisa,
Com a sua permissão, vou linká-la no Prazeres. 1 abraço

Elisa said...

Caro João
por quem sois! Faça favor. Espero contribuir para os seus minúsculos prazeres, de quando em vez.

Bruno said...

Elisa

Daqui uma ave nocturna a fazer a ronda à «casa» e ver como estavam as coisas. Tive dificildades em entrar. O porteiro veio atrás de mim e queria dar-me com um trompete na cabeça, mas eu como sou ágil, escapei-me ao pior.
Enfim, refeito do susto, não te vou dar os parabéns pelo teu texto magnífico porque senão torno-me repetitivo. Ops... já o fiz, não foi? :)) (Estou a tentar por um ar angelical agora) Assim sendo, é proíbido proibir quem quer que seja de ler o que escreves porque escreves muito bem.

Bruno

P.S. (não, não é aquele do Largo do Rato :)) ): Já te adicionei.

vanda said...

Olha, não sei se conheces a recém editada obra Poezz... É suposto ser uma ilustração do que é o Jazz na poesia em Língua Portuguesa (é uma espécie de antologia em que o tema é o Jazz).
Fica aqui um exemplo:

Jazz

Lamentos gracejos rompantes de oiro do Stachmo
um pássaro de canela viajando sobre terraços de vidro

ambarinas arquitecturas ellingtonianas
cópulas de flores selvagens com lábios de cetim

ziguezagues parkerianos alucinados
ritmos partidos cruzando artérias de néon e saliva(...)

Jazz - Jazz - jasmim de todos os sentidos

Levi Condinho (texto com supressões)

Elisa said...

Bruno
Obrigada. Não escrevo bem. Escrevo só.
Vou já espreitar o canal auditivo.
Bjo

Elisa said...

Vanda
Sim, tenho o Poezz há uns meses. Mas obrigada na mesma. Muito obrigada, aliás. Volta sempre.

Elisa said...

ai Bruno
desculpa, mas que confusão armei. Os teus blogs são outros. Dançamos no Mundo e Música no Ar. Confundi tudo. Desculpa. Correcção feita.

bruno said...

Elisa

Os meus blogs são : Dançamos no Mundo e Paz e Humor. O Música no Ar deixei no final do ano.
Agora fica tudo em pratos limpos. :))

Bj

Bruno

Elisa said...

Obrigada Bruno.
E eu até gosto de limpezas. Adiciona-me de novo no msn, porque outro dia fiz cancel em vez de ok, por engano. Sim?
Bjo

JPN said...

volto a saborear este texto depois de agorinha mesmo lá ter ido descobri-lo. gosto muuuiiiito dele.

Elisa said...

Obrigada JPN. Eu preferia não tê-lo escrito. Por ser verdade.