6/02/2006

All Right, Okay, You Win*

















Jackson Pollock - The Moon-Woman


Agora. A lua está tão crescente. E eu estou assim. A ver se não mirro. Agora. Vamos dar ritmo às estrelas. Esquecer que estão mortas. Agora. Só me apetece ser feliz. Deve ser destas noites carregadas de flor. Cobertas de cheiros. Agora. A mim também. Só me apetece estar em flor. Crescente de de dias claros. Grávida como as árvores de fruto. Coberta do cheiro das giestas e do jasmim. Deitar-me nua contigo nas ervas quentes. E fingir. Que estou na lua.

* Peggy Lee (2:53) in 'The Best of Miss Peggy Lee'

6 comments:

Jazz Lover said...

Gostei! Descobri... perdida nas palavras que se escrevem... um blog de deambulações pelas palavras e pela música... jazz (huuuuum)... levo daqui uma grande bebedeira e prometo voltar para mais um copo.
bjs

della-porther said...

A arte de Pollock perfeita...seu texto muito bonito. os dois juntos beleza visual.
Adorei.
Beijos

Elisa said...

Jazz lover
espero que a polícia não te faça soprar no 'balão, on your way out.
Obrigada pela visita e espero que voltes mais vezes, sim.
Bjo

Elisa said...

Della
Olá :-)
Pollock é de facto extraordinário.
Bjo

salsa said...

É isso: fingir a dor que sente. Coisas de Pessoa, o seu compatriota.
PS - veja só a sworfish para autenticar o post: skiyme (tente pronunciá-la). Parece coisa de Joyce.

Elisa said...

Ou fingir que não se sente. É capaz de ser o mesmo.
Tentei pronunciar skiyme :-) parece pois.