7/20/2006

Strange Fruit*














Maya Kulenovic - Great War**

«Esvaziámos os lugares da matança, retirando-lhes o peso dos nossos mortos»
E os nossos mortos serão sempre mais pesados que os mortos dos outros. Por isso esvaziamos os lugares da guerra do seu peso. Em troca deixamos frutos estranhos, carne queimada e uma colheita de horrores. E não temos vergonha. Continuamos a não ter vergonha. O vento varre-a juntamente com os corpos de centenas de homens, mulheres e crianças que tiveram a pouca sorte de não serem 'nossos'.

* Billie Holiday (3:05) in 'Lady Sings the Blues: The Billie Holiday Story, Vol. 4'

«Southern trees bear a strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black body swinging in the Southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.

Pastoral scene of the gallant South,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolia sweet and fresh,
And the sudden smell of burning flesh!

Here is a fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for a tree to drop,

Here is a strange and bitter crop» **

**Outros contextos mas, no essencial, pouco diversos.

16 comments:

Carlos Azevedo said...

Adequadíssima. Infelizmente.

della-porther said...

Me perdoe. O trabalho excessivo me impede de vir aqui mais vezes. Mas mesmo com atraso, deixei um presente pra voce no Cidade , está no post anterior ao atual. Desculpe. Mas tá valendo a intenção.
Beijos e continuo adorando este canto.
beijos
della

Elisa said...

pois, Carlos :( Infelizmente

Elisa said...

Della
Não se preocupe... venha quando puder e muito muito obrigado, quer pelas visitas, quer pelo presente no seu blog. Gostei muito.
Bjo

IO said...

Fabuloso, e tão sincronizado com certo planeta... - um beijo, IO.

Dum Dum Boy said...

Ah, Fruta estranha, qué terrible letra para una tan hermosa canción.
Y los portugueses y el jazz.... qué envidia me dais!

Elisa said...

Io
Fabuloso, fabuloso... só mesmo o 'strange fruit' e lamentavelmente sincronizado com o que se passa no planeta.
Beijos

Elisa said...

Bambino
porquê inveja (ou envídia)? Eu é que tenho inveja de ti por seres espanhol e viveres em Madrid... sim, que eu sou como o Hemingway... ou seja, não nasci em Espanha mas a culpa não é minha.
Beijo

IO said...

Nada disso, referia-me às palavras, as tuas, de que gostei muito! - um beijo, IO.

Manolo Heredia said...

É a luta pela sobrevivência, deste estranho bicho, que tem como predador principal os da sua espécie, e como presa principal também os da sua espécie.

Elisa said...

Obrigada IO, simpática, as usual.
Beijo

Elisa said...

Exactamente Manolo... mas... há-de haver seguramente outro modo de se sobreviver... ainda não descobrimos qual ou eventualmente daria muito trabalho pô-lo em prática. Trabalho e tolerância ou qualquer coisa do género.
Abraço

ALC said...

Elisa, tal como prometi, venho aqui dizer até jazz. Boas férias e é sempre um prazer vir até aqui.

Elisa said...

António
Boas férias. Bom descanso. Bom jazz e bons livros.
Bj

Salsa said...

Eis um clássico. Strange fruit faz parte da, como vocês dizem aí em Portugal, banda sonora da condição humana. A beleza da canção fica maior, Bambino, justamente por não negar aspectos abissais e nebulosos da nossa vida. Elisa, seu blog está, efetivamente, entre os meus preferidos.
Abraços daqui do "novo mundo". PS: aguardo sua visita ao www.jazzseen.blogspot.com

Elisa said...

É isso, Salsa. A banda sonora da (triste) condição humana.
Obrigada pela preferência e conte com a minha visita, claro (e não será a 1ª vez)