6/12/2007

Half The Perfect World*

















Roy Lichtenstein

Às vezes, sem darmos muito por isso, o mundo pode ser perfeito. Não fossem os relógios e os minutos que passam muito devagarinho, até chegares.

* Madeleine Peyroux (4:20) in 'Half the Perfect World'

13 comments:

Marília said...

Gostei do blog e da sutileza do post ;)
Beijos.

Elisa said...

Obrigada Marília

cs said...

ganda madeleine. Adoro. Vi-a no CCB uma maravilha

:))

Elisa said...

que inveja cs ;-))

Salsa said...

Uma bela voz, especialmente quando canta blues. É daquele tipo que nos faz pensar duas vezes quando estamos prestes a desistir.

Elisa said...

Desistir de quê Salsa?

Salsa said...

de tudo, bela, de tudo... fruto do cansaço... quando constatamos que temos de reconstruir, sempre. Maldição de Sísifo. Madeleine parece dizer - lá do fundo de sua voz - vale o esforço. É vida cantando e convidando para a dança. Bailemos, pois.

Elisa said...

Vale a pena o esforço sim... quer dizer... ele há momentos em que o esforço de não desistir... ou de desistir pouco, vale a pena.
Dancemos sim :-)

maria said...

os relógios é que sao imperfeitos

Elisa said...

Pois são, Maria. E eu até gosto de relógios... especialmente daqueles que só têm ponteiros e nos quais é extremamente difícil ver as horas... mas ver as horas interessa a quem?
Beijos

Luciano Lampert said...

Nunca vejo o Programa do Jô, e ontem não ia ser diferente, estava pronto para trocar de canal quando Madeleine Peyroux começou a cantar... estou boquiaberto até agora, me apaixonei totalmente pela música dela... divino...

Elisa said...

Ainda bem Luciano

Luciano Lampert said...

"É daquele tipo que nos faz pensar duas vezes quando estamos prestes a desistir."

Sinto exatamente a mesma coisa...

Me reergueu em um momento bastante triste...
Viva o Jazz e obrigada Madeleine =]