4/12/2007

Reactionary Tango*
















Paula Rego - A Dança

A outros acontecerá de outras maneiras. Mas eu tornei-me socióloga assim. A gostar de observar a dança das pessoas. A tentar descobrir porque dançam. Aquilo que as faz dançar. Ou não. Na altura da minha decisão pelos estudos sociais eu gostava de fazer peoplespotting**. Ainda gosto.

* Carla Bley (12:54) in 'Social Studies'

** peoplespotting que eu saiba é uma designação que não existe... Usei a palavra Trainspotting como base. Trainspotting além de ser o título de um filme de Danny Boyle e de um livro de Irvine Welsh, é um hábito (ao que dizem) britânico de observar os comboios.

14 comments:

Salsa said...

Eis a nossa Baudelaire

Elisa said...

escapou-me qualquer coisa... qual é a semelhança que me encontras com Charles Baudelaire hein?

vbm said...

:)

Elisa said...

:-) Vasco.
beijos

Salsa said...

Prezada Elisa,
Baudelaire iniciou um modo especial de fazer poesia: ele elegeu como um dos objetos de seus poemas o povo comum que desfilava pelas ruas parisienses. Ressaltava, assim, suas peculiaridades, mostrando uma beleza que escapava ao olhar de seus contemporâneos. Ele, como um flanêur, circulava por Paris observando as pessoas que, como ele, tinham que "se virar" para sobreviver.Do mesmo modo agia o poeta Cesário Verde, de Lisboa. São olhares que deslocaram o sentido vigente, no século xix, de como um poema deveria ser escrito. Olhar para as ruas e seus habitantes e usar um tipo de linguagem que, aos olhares e ouvidos de seus contemporâneos, poderia parecer e soar como algo grosseiro. Eles conseguiram mostrar o sublime que habita no grotesco. Você, ao fazer o seu "peoplespotting", está, de certo modo, reeditando o trajeto daqueles poetas.

Elisa said...

Sim... mas a semelhança é mínima assim mesmo. Eu não faço poesia, faço sociologia, com o meu 'peoplespoting'.

Salsa said...

O que está em jogo, Elisa, não é fazer poesia ou sociologia, mas, antes, permitir-se olhar para as pessoas e enveredar-se em seus mistérios (como você destacou). Creio que poetas e sociólogos (os bons) têm isso em comum: estão imersos nessa capacidade de observar. O que fazer com o que daí se recolhe é um outro passo.

Elisa said...

Hum... sim, creio que tenho essa capacidade de observação relativamente bem apurada.
:-)

sem-se-ver said...

e foi um belo termo, esse que inventou. :-)

prazer em vir aqui, sempre.

Elisa said...

:-) também acho sem se ver... ainda que seja mais uma adptação que uma invenção.
O prazer é meu, pelas visitas.

Lua said...

Olá, Elisa.

Eu chamo-lhe tão simplesmente "peoplewatching", mas vai dar ao mesmo.

vou visitando, e gosto do que vejo.

Elisa said...

Vai dar ao mesmo, sim Lua.
Visita sempre que queiras.
Obrigada :-)

maria said...

Querida Elisa,

Essa do "peoplespotting" é genial e só poderia vir de ti, é claro.

Um beijo.

Elisa said...

:-) maria... veio de mim mas muito 'colada' ao trainspotting.
Beijos